Please reload

Posts Recentes

Acordei PCD, e agora?

November 29, 2016

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

Judô

September 3, 2016

 

13ª modalidade: Judô 


O Judô, que começou como uma atividade de arte marcial para a prática de mobilidade, foi incluído como um esporte competitivo nos Jogos Paraolímpicos pela primeira vez em Seul, em 1988. 


Em Atenas, em 2004, categorias de peso das mulheres foram incluídos pela primeira vez. O esporte está aberto a atletas com deficiências visuais em várias categorias de peso. 


O Judô Paralímpico é uma adaptação da arte marcial japonesa de judô para deficientes visuais concorrentes. 


As regras do esporte são apenas ligeiramente diferente das competições de judô regulares. 
Os atletas que são cegos ou têm deficiências visuais e competem sob as regras da Associação Internacional de Judô nos Jogos Paralímpicos, com exceção de uma esteira que tem diferentes texturas para marcar zonas e área de competição. 


Os competidores devem: atacar, defender e manter o equilíbrio durante uma partida, a fim de marcar pontos, usando certas técnicas de ataque e contra ataque. 


São classificados assim: 


B1 – cego total;

B2 – percepção de vulto;

B3 – definem imagem. 


Os atletas são divididos em três classes que começam sempre com a letra B, de “blind”, que significa cego, em inglês. 


B1 é o cego total, de nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos até a percepção de luz, mas com incapacidade de reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância ou direção.

B2 identifica os jogadores que percebem vultos, possuem capacidade de reconhecer a forma de uma mão e campo visual inferior a cinco graus.

B3 são aqueles que conseguem definir imagens e abrangem um campo visual de mais de 5 graus e menos de 20 graus. 
 

Texto completo aqui  


O judô perde apenas para o atletismo e a natação entre as modalidades que mais renderam medalhas ao Brasil em Jogos Paralímpicos. Ao todo, são 18, sendo quatro de ouro, cinco de prata e nove de bronze. As primeiras conquistas ocorreram em Seul-1988, quando o país levou três bronzes. O Brasil está presente no pódio paralímpico de judô em todas as edições desde Atlanta-1996.  


Atleta 


Antônio Tenório teve a deficiência aos treze anos, quando em uma brincadeira, levou uma estilingada de semente de mamona no olho esquerdo, perdendo a visão deste olho. Seis anos depois uma infecção tirou a visão do outro olho, deixando-o completamente cego. 


Mas, com cinco participações nos Jogos Paraolímpicos no currículo e 4 medalhas de ouro, o judoca Antônio Tenório da Silva não é apenas o 6º maior vencedor do Brasil nos Jogos. Ele fez história em Atlanta-1996 ao se tornar o primeiro brasileiro a conquistar uma medalha de ouro em uma modalidade diferente do atletismo e da natação. Tenório ainda foi ouro em Sydney-2000, Atenas-2004 e Pequim-2008, e conquistou um bronze em Londres-2012.  
Retirado do texto aqui  


OBS: Foto da capa de Bruno de Lima/CPB retirado do site aqui  


Ana Bracarense PCD  


Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags